• Gustavo Sette

Briga entre pai e filho balança maior produtor mundial de carne suína


Para quem acha que os conflitos da série Succession são coisa de cinema, o caso abaixo é apenas mais um exemplo real: aquilo acontece. Li a matéria abaixo no Wall Street Journal do último fim de semana.




O WH Group, o maior processador de carne suína do mundo e proprietário da gigante suína americana Smithfield Foods, foi envolvido em uma disputa familiar beeem cara.


A disputa é entre o pai, de 81 anos, e seu filho mais velho de 52. Em junho, o filho, que estava sendo preparado para ser o sucessor, foi demitido da empresa, e 2 meses depois, publicou um artigo com sérias acusações à empresa.


Para quem está vendo Succession, é exatamente o mesmo enredo e a mesma causa: expectativas mentirosas sobre sucessão.


Se o filho, Wan Hongjian, fosse meu cliente, já teria ouvido uma verdade chata, mas pouco falada: em 80% das empresas familiares, não haverá uma sucessão planejada e organizada, o pai vai mandar e tudo será do jeito dele até ele morrer ou arrumar outra coisa para fazer, o que raramente acontece. Como não pega bem assumir isso publicamente, ainda mais por ser uma empresa aberta, global e gigante, os sucessores devem observar o que o fundador FAZ, e não o que ele FALA, pois é isso que gera a frustração, e a partir de uma visão realista, decidir o que é melhor para a própria vida.


Custo da briga? A ação do grupo na bolsa de Hong Kong já caiu 30% desde o episódio. O valor da empresa, só esse ano, caiu de 100 para 70 bi de dólares, e o momento era de aproveitar para crescer com a forte demanda por carne e sinais de melhora na “trade war” entre EUA e China.


Ninguém sabe se as acusações do filho são verdadeiras, mas em brigas familiares, pouco importa quem tem razão... A briga em si destrói. Todos perdem.


Matéria do Wall Street Journal do último fim de semana.

1 visualização0 comentário